segunda-feira, julho 14, 2008

Tinha que dar nisto...


A Ilha de Tavira é a "galinha dos ovos de ouro" de muita boa gente e exemplo maior da sazonalidade da actividade turística...

Fruto do abandono das entidades oficiais nas últimas épocas balneares e da falta de civismo de muitos utentes, o ambiente característico e familiar foi degradando-se de forma acentuada, evidente e progressiva.


Neste saco, cabem quase todos, desde a administração central às entidades locais. Ausência de policiamento por parte da GNR e da Polícia Marítima, abandono das áreas ditas "protegidas" pelo Parque natural da Ria Formosa e Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade, o aumento dos preços e a nova regulamentação decorrentes da concessão do Parque de Campismo, limpeza insuficiente dos espaços públicos, utilização abusiva e negligente das zonas balneares, dunares e florestais, acessibilidades com falta de concorrência e de qualidade, causadas pelo mau planeamento dos transportes fluviais da responsabilidade do Instituto Marítimo-Portuário, são alguns dos pecados que se podem apontar...

Registem-se alguns aspectos positivos, nomeadamente a ligação à rede de esgotos, a melhoria dos espaços internos do Parque de Campismo e a continuação da política de animação das zonas balneares, assim como o regresso recente da Guarda Nacional Republicana às instalações facultadas pelo Município. Na Ilha de Tavira, felizmente não há barracas e o Governo parece querer apostar na requalificação dos principais acessos, através do Polis da Ria Formosa!

Sem esperar pelos resultados desde regresso, a Câmara Municipal promoveu a redução dos horários de funcionamento, em
deliberação aprovada pela Assembleia Municipal em 25 de Fevereiro de 2008 (posteriormente rectificada), limitando a actividade dos estabelecimentos comerciais e implementando um "recolher obrigatório" pouco frequente nos nossos tempos...

Para que não restassem quaisquer dúvidas sobre as novas regras,
as autoridades policiais invadiram a Ilha de Tavira no último sábado, procurando colmatar de uma assentada todas as ausências anteriores. Como bem diz o povo, não há fome que não dê em fartura. Neste caso em concreto, até pode ser que tanta fartura... origine alguma fome no próximo Inverno!

2 comentários:

Albuquerque de Lima disse...

É verdade, ao contrário das demais praias do Sotavento, onde se verificaram fortes investimentos na melhoria das condições oferecidas aos utentes, as Quatro Águas e a Ilha de Tavira estiveram votadas ao abandono e foram perdendo capacidade competitiva. Apesar de ter Bandeira Azul pela primeira vez, a Praia da Terra Estreita não tem transportes adequados. A Praia do Barril foi gravemente afectada pelo temporal e ninguém se preocupou com isso. Nem vale a pena falar das Cabanas, está transformada numa reserva de irlandeses, tais são os preços praticados!
Por outro lado, vejam-se as praias de Castro Marim ou Vila Real de Santo António. A maior parte dos tavirenses, inclusivamente vereadores, altos responsáveis da câmara e ilustres personalidades do PSD-Tavira, estão sempre lá caídos!

Anónimo disse...

Há anos que a Ilha de Tavira se está a transformar no palco do maior "botellón" do Algarve, procurada por multidões de jovens de fracos recursos económicos para se divertirem/intoxicarem sem limites.

Claro que o frágil ambiente da ilha não aguenta tais festanças repetidas e o resultado está à vista: tudo partido e destruído,vegetação queimada, areia impregnada de mijo e vómito, lixo e garrafas vazias por todo o lado, corpos alcoolizados, etc.

Não é sítio que se recomende a ninguém, excepto aos tais jovens. Claro que quem quer ir à praia ou acampar com um mínimo muito mínimo é obrigado a procurar outras paragens.

Talvez seja essa a vocação da ilha: capital da chafurdice e do coma alcoólico! É um "nicho de mercado" a considerar...