domingo, março 16, 2008

A nova avenida do Algarve...


O primeiro-ministro José Sócrates anunciou hoje que a requalificação da Estrada Nacional 125 deverá estar concluída em 2010, no âmbito de um projecto que prevê uma intervenção global no valor de 150 milhões de euros...

"É a primeira vez que se assume a requalificação de uma estrada não como estratégia de tapar buracos ou intervenções pontuais e desgarradas", sublinhou José Sócrates na sessão de lançamento do concurso para a concessão "Algarve Litoral", conforme se pode ler aqui, despedindo-se no final da visita com o anúncio que "deverá regressar ao Algarve no final de Abril", para lançar o concurso de construção do novo Hospital Central da região.

Apesar da troca de acusações entre os líderes regionais do
PSD e do PS sobre o assunto, José Sócrates não disse uma palavra sobre a introdução de portagens na Via do Infante, deixando essa tarefa ao ministro Mário Lino que sublinhou três vezes que essa era a posição da direcção do PSD. Embora também tenha garantido que não se pode pronunciar ainda sobre decisões que possam vir a ser tomadas no... século XXIII!!!
NOTA - A cerimónia foi marcada pela ausência dos autarcas do PSD, alegamente com as agendas pessoais muito... preenchidas!

5 comentários:

Vieira Calado disse...

Não há fumo sem fogo.
Depois vêm com uma qualquer desculpa de ocasião e lá vêm as portagens.
"Galinha gorda a soldado... - como diz o rifão -, choca vai ela"!
Cumprimentos

OBSERVADOR disse...

Para acabar com a estrada da morte

in Correio da Manhã, 2008.03.16

Vão ser feitas intervenções ao longo de toda a via, entre Vila do Bispo e Vila Real de Santo António
Acabar com os números negros da Estrada Nacional 125 é o objectivo do plano de requalificação da via, que é hoje apresentado no Algarve. O objectivo é reduzir em 35% o número de mortes, tendo presente que, nos últimos dez anos se verificaram 290 vítimas mortais de acidentes na estrada (ver caixa).







Numa extensão total de 273 km, o plano – denominado Concessão Algarve Litoral – prevê a requalificação, conservação e exploração de 157,5 km, a construção, conservação e exploração de 29,5 km e a conservação e exploração de 86 km. Ao todo serão investidos 150 milhões de euros.

As principais linhas orientadoras são a construção de rotundas onde existem viragens à esquerda, a construção de variantes (em Lagos, São Lourenço, Faro e Olhão), a colocação de semáforos automáticos, a construção de vias de serviço (segundas faixas) em áreas onde existem as bermas têm grande ocupação e a colocação de passeios e definição de zonas de transição nas travessias urbanas.

Com base no estudo da sinistralidade e do tipo de acidentes dos últimos dez anos vão ser feitas intervenções específicas nos vários pontos negros identificados. Por exemplo, nos locais onde se registaram vítimas mortais em 2007 estão previstas intervenções em todos eles.

Além da redução da sinistralidade, o plano prevê uma melhoria na circulação rodoviária. Nesta área estão previstas rotundas onde existem semáforos, variantes a centros urbanos e melhoria do pavimento da EN125, com a melhoria das condições de atrito.

MUITAS MORTES E ACIDENTES

Nos últimos dez anos a Nacional 125 registou uma média de 29 mortes, por ano, mas também o impressionante número de 27 acidentes com vítimas mortais por ano – o que a torna na segunda via com maior número de sinistros deste género em Portugal. Os piores locais foram a entrada norte de Faro (19 mortes em dez anos), a zona junto a Quarteira/Vilamoura (também 19 mortes) e, em terceiro lugar, o troço próximo de Vila do Bispo (11 mortos). Os cruzamentos e entroncamentos foram os locais com maior número de mortes (83), seguindo-se as travessias urbanas (45) e as zonas com dupla faixa de rodagem (26). Os locais de intensa actividade económica (25 mortes) e as travessias de Lagos, São Lourenço, Faro e Olhão (23) são os dois outros pontos destacados no plano. Refira-se que 88 mortes registaram-se em outros locais ao longo da estrada.

PORMENORES

ROTUNDAS

Rotundas vão ser colocadas em locais onde existam cruzamentos ou entroncamentos. Os principais pontos negros da estrada, onde ocorreram 83 mortes nos últimos 10 anos.

VIAS DE SERVIÇO

Nas zonas de intensa actividade económica vão ser feitas vias de serviço, que permitam a separação do trânsito entre os que pretendem parar e os que apenas querem passar.

DÚVIDA

O Governo anunciou que o plano vai ser apresentado pelo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações (MOPT) estando por confirmar a presença do primeiro-ministro.

por João Mira Godinho

OBSERVADOR disse...

Nova 125 com 64 rotundas para reduzir número de mortos em 35%

por ANA SUSPIRO, In Diário de Notícias, 2008.06.16

Mais de 60 rotundas (64), construção de quatro variantes para separar o tráfego local do de passagem e a construção de vias de serviço em zonas de maior pressão de ocupações paralelas à estrada fazem parte da solução será hoje apresentado em Portimão, com a presença do primeiro-ministro, José Sócrates, para a nova Estrada Nacional (EN) 125.

A redução em 35% do número de mortos numa das vias com maior índice de sinistralidade a nível nacional é o grande objectivo da concessão Algarve Litoral. O investimento de 150 milhões de euros prevê a reaqualificação, conservação e exploração de 157,5 quilómetros de estrada, a construção e conservação de 29,5 quilómetros e a conservação e exploração de 86 quilómetros. Será uma extensão total de 273 quilómetros que terá, em média, uma rotunda por cada quatro quilómetros, média que baixa se retirarmos as variantes. O concurso avança já e a obra, pelo menos no que respeita à requalificação da EN125, deverá estar concluída até final de 2010, adiantou ao DN fonte oficial do Ministério das Obras Públicas. A Algarve Litoral é a única das novas concessões rodoviárias que não terá qualquer troço com perfil de auto-estrada e portanto portajado. Isso significa que o Estado terá de financiar o consórcio privado que ficar com esta concessão. Apesar da melhoria das condições da via alternativa, o Governo já afastou a introdução de portagens na Via do Infante, pelo menos nesta legislatura.

A substituição de interseccões (cruzamentos) por rotundas será a principal responsável pela diminuição do número de mortos por acidente rodoviário na 125, que entre 1998 e 2007 foi a segunda estrada com mais vítimas mortais (cerca de 290), uma média de 29 por ano. A intervenção prevê a eliminação total dos pontos negros (zonas da Guia, Patacão, Faro, Olhão, Pata e Altura). Serão construídas quatro variantes para separar o tráfego de passagem do local em áreas de grande pressão urbana, como Lagos, S. Lourenço, Faro e Olhão. Serão desenvolvidas vias de serviço em lanços como Guia-Algarve Shopping, Maritenda-4 Estradas (Loulé) e em Chinicato (Lagos) para facilitar acessos a empreendimentos com muita procura. O Governo prevê uma melhoria no nível da velocidade média de cerca de 14%, que pode chegar a 19% nas zonas servidas pelas novas variantes e que será de 12% em trajectos médios ou curtos.

O projecto envolve a requalificação urbana e paisagística, com intervenções que limitam o nível de velocidade de circulação nas zonas urbanas, que passam pela introdução de passeios, a criação de zonas de transição à entrada das povoações, criação de zonas de parqueamento lateral, recurso á vegetação e a cor e colocação de mobiliário urbano. Nas zonas envolventes, haverá áreas com restrições á construção, passando dos actuais 15 metros para cada lado do eixo da estrada para 35 metros. Está prevista a regulação do controlo de acessos à 125 para os limitar e um maior controlo de visibilidade, proibindo a instalação de obstáculos.

OBSERVADOR disse...

Mendes Bota acusa Mário Lino de "infâmia" no caso das portagens da Via do Infante

O líder da distrital do PSD/Algarve Mendes Bota acusou hoje o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, de "faltar à verdade" e de "infâmia" no caso das portagens na Via Infante (A22), no Algarve.

O ministro das Obras Públicas reiterou, domingo, numa visita que realizou ao Algarve, que não está prevista a introdução de portagens na Via Infante (A-22) e disse que quem defende essa opção é a direcção do PSD e "não o Governo do Partido Socialista".

Mendes Bota recorda, por seu turno, que, há seis meses, o presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, disse em Quarteira que não defendia as portagens na Via Infante.

"Em discurso proferido em Quarteira, [Menezes] deixou explícita a sua oposição à implantação de portagens na Via Infante, atendendo ao facto de ser, em mais de metade do seu traçado, muito anterior ao modelo SCUT inventado pelo Governo de Guterres, de não possuir os requisitos técnicos de uma auto-estrada", lê-se no comunicado de imprensa de Mendes Bota.

Para o vice-presidente do PSD, o ministro das Obras Públicas "não tem o direito de faltar à verdade e de colocar no PSD qualquer intenção de defender a colocação de portagens na Via Infante. É uma infâmia que desminto categoricamente", lê-se também no comunicado.

O presidente do PSD/Algarve, Mendes Bota, já havia acusado sexta-feira transacta José Sócrates de lançar a requalificação da EN125 para introduzir portagens na Via do Infante (A22).

Em resposta à acusação de Mendes Bota, no sábado, o presidente da Federação do PS/Algarve, Miguel Freitas veio desmentir, em comunicado, o líder do PSD/Algarve, acusando-o de "pobreza franciscana" e de colocar palavras na boca do ministro Mário Lino que não foram proferidas.

José Sócrates já garantiu, por seu turno, que a intervenção na EN-125 não implicaria que a A-22 passe a ter portagens e no domingo o ministro Mário Lino pronunciou-se no mesmo sentido.

O líder do PSD/Algarve menciona, contudo, que "o ministro das Obras Públicas não é garante de coisa nenhuma".

"Ficará para a História a sua monumental inversão de posição, que conduziu à decisão do aeroporto internacional de Alcochete Jamé", recorda Mendes Bota.

O rol de acusações entre PS e PSD do Algarve começou recentemente, após o primeiro-ministro ter anunciado a requalificação da EN-125, cuja concessão foi aprovada quarta-feira, em Conselho de Ministros.

Actualmente, a EN-125 atravessa o Algarve numa extensão de 153 quilómetros mas, depois de requalificada, terá 273 quilómetros. A sua requalificação está a cargo da Estradas de Portugal, em regime de parceria público-privada, e custará cerca de 150 milhões de euros.

No final das obras, esta estrada nacional servirá 14 concelhos algarvios e uma população de 400 mil pessoas, que duplica no Verão.

17 de Março de 2008 | 19:40
lusa

OBSERVADOR disse...

EN 125: NERA considera requalificação uma mais valia

In Observatório do Algarve,
18-03-2008 18:06:00

O NERA – Associação Empresarial da Região do Algarve, considera que a requalificação da Estrada Nacional 125 é “uma boa notícia para o Algarve e para o país”, acrescida do facto da Via do Infante continuar sem portagens.

A melhoria da imagem do Algarve, eliminação das principais causas de sinistralidade e o acabar com o estrangulamento à mobilidade dos cidadão são alguns dos objectivos que se esperam alcançar com a requalificação da via que atravessa o Algarve.

Para o NERA, “estamos perante uma decisão tecnicamente correcta, politicamente justa e adequada às necessidades económicas da Região e dos seus cidadãos”.

A Associação Empresarial conclui relembrando que “os responsáveis governamentais garantem, ainda, que não serão introduzidas portagens na Via do Infante”.