sexta-feira, agosto 15, 2008

Na Ilha do Tesouro!


Não começou agora, nem no último ano, como muitos querem fazer acreditar, já abordámos a situação por diversas vezes e a solução definitiva parece cada mais longínqua...

Falo-vos da Ilha de Tavira, das questiúnculas e das pretensas medidas para resolver o problema. Alguns, que deveriam estar mais atentos, só agora descobriram que
os "botellón's" tinham sido banidos em 2006 das praias, das bombas de gasolina e de outros espaços ao ar livre da vizinha Andaluzia. Em 2007, alteraram os horários de funcionamento dos apoios de praia. Agora, a dois tempos, restringiram horários dos restaurantes e dos bares existentes na Ilha, como se assim acabassem os problemas...

Depois da condenação maioritária das medidas adoptadas, pelo que leio nos jornais, parece que
a emenda foi pior do que o soneto. O problema tem solução e não passa só pela mudança da Lei. Basta mudar de protagonistas!

Explico melhor, aquilo que hoje se verifica na Ilha de Tavira, é o resultado da demissão prolongada de muita gente, que apenas vê aquele espaço como uma fonte de rendimento e nunca se preocupu com o desenvolvimento sustentado daquela comunidade temporária.
Não é a primeira vez que exprimo esta opinião pessoal, mas parece que há quem teime em enfiar a cabeça na areia.

Por agora, não me alongo muito, mas chegará o dia em que apresentarei uma solução de futuro. Serena e eficaz, garanto-vos!

5 comentários:

Eduardo Saraiva disse...

Para quem acompanha a vida de nuestros hermanos, particularmente as noites de sábado para domingo, já viveu ou assistiu ao "Botellón". Os jovens, durante o final de tarde adquirem as bebida alcoólicas e, à noite, na Plaza Mayor, bebem . . . bebem, até cair para o lado.

Este "divertimento" adquiriu tais proporções, no tocante à saúde e à ordem pública, que foi criada a "Ley Antibotellón".

Os jovens espanhóis, no Verão, como alternativa, começaram a praticar "Botellón" no Algarve, com alguma incidência na Ilha de Tavira.

O Presidente da Autarquia, Macário Correia, dado que a Ilha de Tavira é um local de excelência para uma férias sossegadas, lançou o alerta sobre o "vandalismo na Ilha".

De imediato, algumas vozes, provavelmente defensores do "laissez faire, laissez passer", vieram lembrar os tempos em que Macário Correia defendeu a proibição do cigarro em certos locais. Curiosa foi a posição do Presidente da Região de Turismo do Algarve que veio pedir alguma contenção nas palavras de Macário Correia, pedindo (repare-se) que é preciso também "ter algum cuidado com o tipo de acusações que se faz aos turistas que vêm cá gastar dinheiro", porque os espanhóis são o segunda maior cliente (em dormidas) do Algarve. Sucede que os adeptos do "Botellón" não dormem.

Como contraponto ao Presidente da Região de Turismo, ao Jornal de Notícias (13-Agosto), os empresários sediados na Ilha de Tavira não quiseram dar a cara sobre o assunto, mas o cliente de de um bar confirmou as queixas de Macário Correia: "A Ilha está a bater no fundo por causa deles".

Concluo que, para o Presidente da Região de Turismo, a qualidade do turista não é importante. O Turismo é uma área vulgar.

Depois não se queixem que o Algarve está a perder turistas.

Ocaso....Ao Acaso... disse...

"TODOS OS PÁSSAROS COMEM MILHO, MAS SÓ O PARDAL É QUE PAGA"

Anónimo disse...

"Por agora, não me alongo muito, mas chegará o dia em que apresentarei uma solução de futuro."...
-Este comentário final é o máximo, realmente,querem ver que alguem tem a solução para todas as más causas do mundo mas aguarda pelo dia final para dar a solução!

OBSERVADOR disse...

Operação policial anti-botellón na ilha de Tavira não detecta vandalismo


in Público, 17.08.2008


Uma operação policial contra o vandalismo e ruído na ilha de Tavira, alegadamente provocado pelo alcoolismo de jovens espanhóis, na madrugada de ontem, apenas detectou infracções ligadas ao campismo selvagem e pesca lúdica sem licença.

A operação de fiscalização começou às 23h00 de sexta-feira com 38 elementos da Polícia Marítima, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Judiciária e GNR. A acção terminou pelas 4h00, sem que fossem detectados "desacatos, nem vandalismos, nem ruído excessivo", adiantou à agência Lusa o responsável pela capitania dos portos de Tavira e Vila Real Santo António, Rocha Pacheco, registando-se apenas alguns infractores à pesca lúdica e ao campismo selvagem.

A operação foi desencadeada três dias depois de o autarca de Tavira, Macário Correia, ter alertado as autoridades para o chamado botellón na ilha de Tavira estar a provocar vandalismo e desacatos. O fenómeno é uma tradição oriunda de Espanha que consiste em comprar bebidas alcoólicas e ir em grupo beber para a rua, mas foi proibido no Sul de Espanha, levando muitos jovens a rumar às noites do litoral algarvio para beber em espaços ao ar livre, facto contestado pelo autarca Macário Correia.

Segundo Rocha Pacheco, verificaram-se alguns grupos de jovens a fazerem pequenos botellóns espalhados pelos areais da ilha de Tavira com djambés (tambores), mas "não estavam a fazer muito barulho", nem sequer estavam em espaços concessionados. "A operação decorreu de forma normal, havia pouca gente na ilha e não foram detectados desacatos, nem foi encontrado consumo de estupefacientes", acrescentou o capitão dos portos de Tavira e Vila Real de Santo António.

JG. disse...

O dia das soluções chegará. Fique tranquilo e vá passando por aqui. Obrigado pela visita e pelo comentário, apesar de anónimo!