sábado, maio 03, 2008

Momento decisivo!


O primeiro-ministro admitiu hoje que o concurso para a construção do Hospital Central do Algarve já podia ter sido lançado "há anos atrás", mas afirmou que os hospitais "não se compram nos supermercados". Pudera!

Apontado por José Sócrates como um exemplo para os próximos hospitais públicos e privados, o Hospital Central do Algarve terá uma lotação de 549 camas, mais 15 de cuidados paliativos e será dotada de dez salas operatórias, 46 gabinetes para consulta externa e 43 postos de hospital de dia, apresenta como novidades as especialidades de Cirurgia Vascular, Pediátrica, Endocrinologia e Nutrição, Genética Médica, Medicina Nuclear, Neuroradiologia e Radioterapia.

Envolvendo um investimento global de 267 milhões de euros, com tecnologia de ponta em termos científicos e destinando-se a um público-alvo de 800 mil habitantes, a unidade do Parque das Cidades (onde já aguarda inauguração o Laboratório Regional de Saúde Pública!) está preparada para acolher o ensino pré e pós-graduado e investigação
lá para 2013, ou seja, muito depois das próximas eleições. Venha agora o curso de medicina!

Segundo o
Ministério da Saúde, as actuais instalações do Hospital Distrital de Faro vão acolher unidades de saúde familiar e cuidados continuados, bem como um projecto inovador de Residência Assistida para Idosos, para além das transferências de diversos serviços agora espalhados pela cidade de Faro (ARSA, INEM, CODU, etc), rentabilizando os recursos existentes!

4 comentários:

odcavaco disse...

uma questão apenas mas com muitíssimas implicações: comportará também o novo hospital do Algarve gabinetes para psicólogos (no plural,note-se!?..... (Odília Cavaco)

Anónimo disse...

E a universidade de medicina ninguém fala, será que não há falta de médicos.

É uma vergonha metade do território nacional sem uma universidade nesta área.
É uma humilhação sermos atendidos ao fim de várias horas por um profissional que não sabe falar PORTUGUÊS.
Se não há dinheiro deixem abrir uma privada.

Viva o lobby dos já formados.
Abaixo o zé povinho que acaba por morrer sem um mínimo de dignidade.

Aleoafo

JG. disse...

Por variadas razões, está completamente fora de questão abrir uma Faculdade de Medicina no Algarve. O mesmo já não acontece com o ensino superior de Medicina e de todas as profissões conexas!

Por isso mesmo, fiz questão de sublinhar no texto as infraestruturas e as valências académicas contidas no programa funcional do Hospital Central do Algarve. Muitas delas vão contribuir para a qualificação do corpo clínico e técnico existente na região, nomeadamente no caso das 7 novas especialidades...

Até lá, é preciso que se mantenha a chama acesa, que se tomem as decisões certas nas sedes competentes (MCTES e MS) e ultrapassem os obstáculos que alguns teimam em semear no percurso. Vamos ficar atentos, ok!?

Anónimo disse...

De acordo com o JG, mas nós algarvios temos que ser mais reivindicadores dos nossos direitos.
O poder central por vezes esquece-se deste cantinho maravilhoso que é o Algarve.