sábado, novembro 15, 2008

Socialistas algarvios com órgãos paritários


Realizou-se no passado sábado, o Congresso Regional do PS-Algarve, marcado pela aprovação da estratégia política para o próximo biénio e pela inédita eleição de órgãos paritários...

O auditório municipal de Lagoa mostrou-se uma boa escolha para a apreciação e discussão da única moção global - O Algarve – a nossa razão de sempre, apresentada por Miguel Freitas, conforme é relatado no
Barlavento ou visualizado no sítio do PS-Lagoa. A regionalização foi o tema transversal da generalidade das intervenções e Brandão Pires apontou o caminho para ganhar o referendo...

No Região Sul, a opção foi por matérias mais imediatas, sublinhando que os autarcas socialistas, pela voz de Francisco Leal, tornaram pública a sua oposição à eleição de Macário Correia para a liderança da comunidade intermunicipal do Algarve, entidade que sucederá à Área Metropolitana do Algarve. Por estes dias, as órgãos deliberativos dos municípios algarvios estão a aprovar os respectivos estatutos e a eleger os seus representantes naquela entidade, a qual deverá escolher os membros do órgão executivo durante o mês de Dezembro...

PS - As listas completas dos órgãos federativos podem ser consultadas no Acção Socialista!

1 comentário:

O Pasmado disse...

Cotas & Quotas

Realizou-se na semana passada, mais dia menos dia, o Congresso Regional do Algarve do PS. Desta Magna reunião saiu apenas um facto digno de comentário. Pela primeira vez a composição da Comissão Politica Regional é paritária, isto é, ambos os géneros estão representados com 50% neste orgão. Traduzindo por miúdos (e miúdas), existem o mesmo número de dirigentes regionais homens e mulheres.

Até aqui nada de estranho... mas como é que se chegou a este ponto? Pensarão que foi fruto de uma maior participação de mulheres no PS. No entanto, olhando para os ficheiros de militantes, nada disto se passou. Não houve nenhuma avalanche de novas militantes no PS!

Então como foi?

O presidente da Federação eleito, argumentou ao longo da campanha que o reelegeu que só uma pequena percentagem dos membros da Comissão Política tinham uma participação activa. Solução óbvia seria expurgar das listas os membros de corpo presente e mente ausente e com isto reduzir a dimensão da Comissão Política. A solução encontrada foi porém muito mais imaginativa: aumentar o número de mulheres na CP. Perceberam?

Mas para isto era preciso que alguns dos que faziam parte da CP saíssem para dar lugar às novas membras!!!!! Claro é, que não foi isto o que aconteceu. Mais fácil foi aumentar o tamanho deste orgão e assim conseguir que coubesse lá tudo... homens, mulheres, calados e faladores... Vamos longe assim!

Já agora uma proposta:

Não estará na altura de extinguir o DEPARTAMENTO DE MULHERES SOCIALISTAS?

Imagino que esta ideia vá cair em saco roto e que daqui a uns dias venha a ser formado o DEPARTAMENTO DE HOMENS SOCIALISTAS! Como diria o outro... É a vida.