quinta-feira, agosto 23, 2007

Voltamos à Universidade?


O Governo aprovou um diploma que cria o novo sistema de acesso automático ao crédito pelos estudantes do ensino superior, incluindo alunos em cursos de especialização tecnológica, licenciatura e mestrado, assim como alunos de doutoramento e pós-graduação...

Existente nos Estados Unidos há mais de trinta anos, o novo sistema acresce aos mecanismos de acção social escolar e é fortemente marcado pelo princípio da universalidade, sem prejuízo de integrar instrumentos que visam promover e premiar o mérito, nomeadamente ao nível das condições de acesso ao crédito. Os empréstimos terão uma taxa de juro mínima, não dependente de avales ou garantias patrimoniais, que será reduzida para estudantes com melhor aproveitamento escolar.

Mais informações sobre o último Conselho de Ministros no
comunicado habitual!

1 comentário:

OBSERVADOR disse...

Uma medida positiva com décadas de atraso

EDITORIAL, in DN, 2007.08.24

O novo sistema de crédito bancário aos estudantes do ensino superior que o Governo aprovou ontem é uma boa medida. Chega tarde - o sistema está em vigor nos Estados Unidos há mais de 30 anos -, mas, como diz o ditado, mais vale tarde do que nunca.

O atraso, porém, não diminui nem a utilidade nem o alcance da medida. A confirmar-se que esta pode vir a beneficiar quase 30 mil estudantes, o que corresponderia a cerca de 10% dos universitários do País, contribuirá certamente para um novo impulso do ensino superior em Portugal. Um passo importante, numa altura em que algumas das universidades nacionais já começam a aparecer nas listas das melhores instituições de ensino do mundo, reforçando igualmente as suas ligações ao mundo das empresas e da investigação.

Resta agora saber qual será a taxa de juro que o Governo acordou com os bancos para aplicar a estes empréstimos. Só com esse dado é possível avaliar se o valor vai ou não condicionar a utilidade de uma medida que, sendo positiva, não pode ser sinónimo da demissão do Estado das suas obrigações directas na garantia do acesso dos mais desfavorecidos ao ensino superior. (...)