sexta-feira, junho 01, 2007

Sua Kay em Tavira?!


Depois do anúncio e das polémicas iniciais, o novo espaço comercial em Tavira começa a ganhar forma. O arquitecto consagrado Sua Kay, professor convidado da Universidade Técnica de Lisboa, assina o projecto...

Considerado um expoente da sua geração, o arquitecto Mário Carlos Sua Kay nasceu em São Lourenço (Moçambique) em 1952, e começou o seu percurso em Inglaterra mas é em Portugal que gosta de exercer a sua profissão, lamentando no entanto que seja um país onde há medo de arriscar. Para fugir à regra, assinou projectos inovadores como o
Centro Comercial DOLCEVITA de Coimbra, galardoado com vários prémios internacionais (foto de cima), a Fábrica de Produção de Semicondutores da Siemens (Vila do Conde) ou da Praça das Portagens da Auto-Estrada do Algarve...


Promovido pela
Martifer, o novo complexo tem cerca de 40 mil metros quadrados (m2), uma área comercial de 3.400 m2 com um hipermercado, 2.200 m2 de restaurantes e snacks, zona de lazer com 4 salas de cinema e 1.900 m2 de esplanadas sobre a Ria Formosa, para além de 1.050 lugares de estacionamentos, integrando-se na zona norte da cidade, junto do complexo desportivo municipal e com acessos fáceis à EN 125 pela rotunda de Vale Caranguejo (na foto). Não acham bem?!

3 comentários:

Pedro disse...

São sempre bem-vindos estes actos de desenvolvimento regional...mas parece-me que a esta distância temporal Tavira não será capaz de rentabilizar com sucesso este projecto...veremos!

PMS
Nutricionista

Kalinka disse...

Obrigado pela partilha. Fiquei sabendo de alguém que se distingue na arquitectura e em projectos imobiliários, que nasceu em Moçambique, como eu.

Na descrição que ando a fazer sobre umas mini-férias de 4 dias pelo Alentejo profundo, também vejo prados falando, a Natureza, os moinhos, os ventos e o luar;

Os meus olhos tudo registaram, agora tento passar a quem me lê, através de palavras e de fotografias, mas...o melhor está dentro de mim; porque por mais que vos diga, nunca irei conseguir transmitir o que na realidade senti. São emoções muito fortes e belas.

E quanta gente existe, sem verdadeiros olhos de ver...
Que se desespera a ver se alcança
A Felicidade feita de pequenos nadas...
Assim vou sendo feliz em pequenas parcelas.

Fernando Reis disse...

As grandes superfícies e o comércio tradicional

por Fernando Reis (professor e director do Jornal do Algarve), in 1001Olhares

Em 16 anos, desde que foi inaugurado, pela mão da Sonae, o primeiro centro comercial no Algarve, o número de grandes superfícies comerciais cresceu de forma tão vertiginosa, que hoje existem mais de oitenta, transformando a Região num autêntico “El Dorado” do grande consumo – daquele em que se compra o que se quer e não se quer – para desespero do comércio tradicio-nal que por mais tentativas de modernização até agora ensaiadas continua moribundo e incapaz de resistir à lógica dos hiper-comércio.

E se o panorama actual já é deveras preocupante, mais negro se perspectiva o futuro imediato com a abertura de mais quarenta e cinco grandes superfícies nos próximos dois anos. Convém lembrar que os respectivos projectos já foram autorizados. Para que se perceba melhor que este problema, no Algarve, é muito mais grave que no resto do país, enquanto a média nacional de área comercial é de 161 metros quadrados por cada mil habitantes e a europeia de 196, em Portimão e Albufeira é de 2595 e 2455 metros quadrados por mil habitantes, em Lagoa de 625, em Lagos de 540 e em Silves de 335. Se a este quadro juntarmos o facto de o consumidor algarvio ser frequentador das grandes superfícies de Cartaia, Huelva e Sevilha – e a partir de agora, também do Plaza de Ayamonte – a situação é, ainda, mais preocupante. (...)